As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 director: Norberto Hossi
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Cultura
 » Desporto
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Ser Europeu
Liliana Castro




O ano de Obama

- 6-Jan-2009 - 17:12

As expectativas criadas em torno deste novo actor dos palcos mundiais deixa antever grandes desilusões. Não por Obama não ser capaz de fazer um bom trabalho, mas sim porque a aura messiânica que se criou à sua volta é tudo menos realista. Concentramos numa única pessoa a missão de salvar o mundo e, por muito poder que o presidente dos EUA tenha, não lhe cabe este papel.

De Obama espera-se que resolva os conflitos bélicos, a crise financeira, a crise energética, a crise de desemprego e de credibilidade dos EUA.

Se for bem sucedido é certo que todo o mundo beneficia, mas ainda assim não devemos eleger um salvador para uma tarefa que cabe a todos. Todos os países, todos os governos, todos os cidadãos.

Pessoalmente acredito que com Obama se poderá iniciar uma nova fase na política internacional. Em que a postura dos governantes inspire mais confiança e demonstre mais competência (o que depois de Bush não será difícil!).

Um pouco de confiança para combater o descrédito da classe política cujos representantes balançam num equilíbrio desequilibrado entre os interesses pessoais e públicos.

Que Obama traga uma lufada de ar fresco na cena internacional e que esta se alastre ao nosso pequeno rectângulo.

Mestranda em Integração Europeia e Economia Internacional
liliana.gilberto@gmail.com


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ler Artigos anteriores


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Criação de Websites Portugal por NOVAimagem