As Notícias do Mundo Lusófono
Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 as notícias da lusofonia
Pesquisar

em
Airbnb
Notícias

» Angola
» Brasil

» Cabo Verde
» Guiné-Bissau
» Moçambique
» Portugal
» S. Tomé e Príncipe
» Timor Leste
» Comunidades
» CPLP
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
Canais


» Manchete
» Opinião
» Entrevistas
» Comunicados
» Coluna do Leitor
» Bocas Lusófonas
» Lusófias
» Alto Hama

» Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
Serviços

» Classificados
» Meteorologia
» Postais Virtuais
» Correio

» Índice de Negócios
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
Colunistas
Jorge Eurico



Dia da Juventude Angolana... de partido único

Há precisamente trinta e cinco anos que se tem comemorado - com um certo abuso e insulto à inteligência juvenil do nosso País à mistura - o 14 de Abril como o Dia da Juventude Angolana.

Não é (digo eu, em javanês!) sério e muito menos legítimo que se continue a avocar a sobredita data como Dia da Juventude Angolana com a pompa e circunstância que lhe é sobejamente conhecida.

A avocação do referido marco era merecedora da atenção e consideração redobrada de todos os angolanos ao “Tempo colonial do MPLA” (entenda-se, tempo do partido único).

Naquela altura, o MPLA era dono e barão do País. Por isso os angolanos , que por causa da guerra e outras razões viram impossibilitados de darem a sola para o estrangeiro, não tinham outra opção político-partidária que não fosse a de ser do MPLA ou ainda do… partido no poder.

Ora tanto quanto julgo saber, o “tempo do partido único” está morto e (bem) enterrado.

De lá para cá, o(s) estatuto(s) jurídico-político (s) (Constituições) angolano (s) definiram sempre a República de Angola como um Estado de Direito democrático e multipartidário.

Ou seja, para além do MPLA passaram a fazer parte do cenário político angolano outros partidos políticos.

Os angolanos passaram, destarte, a estar pretensamente representados no Parlamento, lugar onde supostamente, em democracia, se discute tudo (e mais alguma coisa) atinente à vida do cidadão-eleitor.

Por isso, enquanto jovem apartidário mas não apolítico, pergunto (se é que tal não ofende os membros do partido que sustenta o Governo): Acaso a instituição do 14 de Abril como Dia da Juventude Angolana foi, depois dos Acordos de Bicesse, alguma vez discutida no Parlamento?

Enquanto jovem apartidário mas não apolítico, sugiro (se é que tal não ofende os nossos tribunos à Assembleia Nacional) que se faça um referendo para saber se os jovens do PRS, da FNLA, da UNITA, do Bloco Democrático e de Organizações da Sociedade Civil espalhadas por este País afora se revêem no 14 de Abril.

Querem saber se me revejo no dia 14 de Abril? Isto, perdoem-me a fraqueza, nem às paredes confesso!


jorgeeurico@noticiaslusofonas.com
15.04.2010


Há precisamente trinta e cinco anos que se tem comemorado - com um certo abuso e insulto à inteligência juvenil do nosso País à mistura - o 14 de Abril como o Dia da Juventude Angolana.

Não é (digo eu, em javanês!) sério e muito menos legítimo que se continue a avocar a sobredita data como Dia da Juventude Angolana com a pompa e circunstância que lhe é sobejamente conhecida.

A avocação do referido marco era merecedora da atenção e consideração redobrada de todos os angolanos ao “Tempo colonial do MPLA” (entenda-se, tempo do partido único).

Naquela altura, o MPLA era dono e barão do País. Por isso os angolanos , que por causa da guerra e outras razões viram impossibilitados de darem a sola para o estrangeiro, não tinham outra opção político-partidária que não fosse a de ser do MPLA ou ainda do… partido no poder.

Ora tanto quanto julgo saber, o “tempo do partido único” está morto e (bem) enterrado.

De lá para cá, o(s) estatuto(s) jurídico-político (s) (Constituições) angolano (s) definiram sempre a República de Angola como um Estado de Direito democrático e multipartidário.

Ou seja, para além do MPLA passaram a fazer parte do cenário político angolano outros partidos políticos.

Os angolanos passaram, destarte, a estar pretensamente representados no Parlamento, lugar onde supostamente, em democracia, se discute tudo (e mais alguma coisa) atinente à vida do cidadão-eleitor.

Por isso, enquanto jovem apartidário mas não apolítico, pergunto (se é que tal não ofende os membros do partido que sustenta o Governo): Acaso a instituição do 14 de Abril como Dia da Juventude Angolana foi, depois dos Acordos de Bicesse, alguma vez discutida no Parlamento?

Enquanto jovem apartidário mas não apolítico, sugiro (se é que tal não ofende os nossos tribunos à Assembleia Nacional) que se faça um referendo para saber se os jovens do PRS, da FNLA, da UNITA, do Bloco Democrático e de Organizações da Sociedade Civil espalhadas por este País afora se revêem no 14 de Abril.

Querem saber se me revejo no dia 14 de Abril? Isto, perdoem-me a fraqueza, nem às paredes confesso!


jorgeeurico@noticiaslusofonas.com
15.04.2010



Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos

Voltar

Ver Arquivo




Ligações

Jornais Comunidades

Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona design e programação NOVAimagem - Web design, alojamento de sites, SEO