NCaster Has not been assigned a template for this catogory. This site is powered by Project ncaster
using defalts layout Através de um conjunto de técnicas, a empresa portuguesa defende o aproveitamento de toda a energia gerada no ciclo urbano da água tradicional (captação, tratamento, distribuição até aos lares, passagem pelas ETAR e respectiva devolução ao meio ambiente), assim como a introdução de fontes de geração de energia renovável em todo este processo.

Para que o ciclo urbano da água se torne então eficiente, a Aquapor tem vindo a estudar e a implementar um conjunto de medidas como a instalação de turbinas ao longo das condutas de água (o que permite aproveitar a pressão da água para gerar energia) e a colocação de bombas “invertidas” ao longo das redes de distribuição de água, as quais conseguem gerar electricidade.

Outras técnicas já utilizadas consistem na colocação de painéis fotovoltaicos nas coberturas dos reservatórios, aproveitamento do potencial calórico das lamas resultantes do tratamento das águas residuais como combustível e utilização do biogás produzido nas ETAR para a produção de energia eléctrica.

“Já temos 831 painéis fotovoltaicos instalados nas empresas Águas da Figueira, Águas de Gondomar, Águas de Alenquer, Águas de Cascais e Águas do Sado, com um investimento que ascende a 903 mil euros e uma potência instalada de 156 kW”, destaca Diogo Faria de Oliveira, Administrador da Aquapor.

A ida à China deveu-se a um convite da Participação Portuguesa na Exposição Mundial de Shangai e está a permitir à empresa apresentar este conceito a empresários e entidades públicas distribuidoras de água e gestoras dos recursos hídricos nesse país.

Para além da Aquapor, o Grupo DST marca também presença na China através da Torre Turística Transportável (já nomeado o segundo pavilhão de Portugal na Expo Shangai) e da DST Renováveis, que também procura oportunidades de negócio junto de entidades públicas e privadas locais.

“Sendo um dos maiores produtores e exportadores mundiais de painéis fotovoltaicos, a China está a começar agora a procurar parceiros europeus com know-how e competências demonstradas no desenvolvimento de projectos e instalações, dois pontos fortes da DST Solar”, refere Margarida Monteiro, General Manager da DST Renováveis.