NCaster Has not been assigned a template for this catogory. This site is powered by Project ncaster
using defalts layout O estádio 11 de Novembro, em Luanda, foi hoje palco do regresso de Angola aos grandes espectáculos desportivos depois de ter acolhido a CAN2010, com mais de 40 mil pessoas a assistir à vitória dos “Palancas Negras”.

O resultado foi o melhor do jogo, como admitiu o seleccionador angolano, Zeca Amaral, que disse, no final da partida, ter sido fraca a exibição protagonizada pela equipa angolana, segunda classificada, com três pontos, tantos quantos a Guiné-Bissau, num grupo liderado pelo Uganda, que soma quatro pontos, depois de hoje ter empatado 0-0 com o Quénia, último.

Com um futebol mais organizado e com um fio de jogo a denotar um melhor entrosamento, a Guiné-Bissau, treinada pelo português Norton de Matos, claudicou perante os mais possantes jogadores adversários.

E exemplo disso mesmo foi a ocasião em que Manucho Gonçalves ‘arrancou’ uma grande penalidade ao guarda-redes Lano, que acertando um pontapé no tronco do avançado angolano quando este entrou na área depois de roubar uma bola que parecia dócil para a defesa guineense.

E foi aos 24 minutos da primeira parte que Gilberto transformou a grande penalidade em golo, ao arrepio daquilo que o jogo estava a ser até então, já que os visitantes, aos 6 minutos, tiveram a oportunidade mais evidente de passar para a frente no marcador.

O técnico Norton de Matos atirou para a pressão exercida pelo “fantástico ambiente” no estádio 11 de Novembro e para a verdura de alguns dos seus jogadores, dos quais dois ainda juniores, a supremacia no resultado desta partida.

“Lance infantil” foi como Norton de Matos classificou o penalti oferecido a Angola por Lano, mas advertiu que “o futuro será melhor” porque, como diria a seguir o capitão de equipa, Bruno Fernandes, “a Guiné-Bissau está agora a começar” a construir a sua equipa, a dar “os primeiros passos”.

Zeca Amaral também garantiu que Angola vai melhorar com “muito trabalho”, mas deixou para os balneários a conversa com os jogadores sobre aquilo que vai ser necessário fazer.

Até porque “o importante era ganhar”, como salientou Kali, o capitão dos “Palancas Negras”, embora tenha defendido que o ideal passa por “ganhar e jogar bonito”.

Apesar de não ter sido brilhante o jogo dos angolanos, o público não regateou apoio e os mais de 40 mil que estiveram presentes demonstraram que estão com a equipa de Zeca Amaral, que assumiu os comandos após a recente saída do anterior treinador, o francês Hervé Renard.

Como curiosidade fica a ideia entre os comentadores desportivos angolanos que quase por unanimidade admitiram o melhor futebol da Guiné-Bissau neste desafio lusófono de acesso à CAN 2012, que terá lugar na Guiné Equatorial.

Noutra frente, a selecção moçambicana de futebol venceu hoje as Comoros, por 1-0, em jogo da segunda jornada do Grupo C de apuramento também para o CAN2012.

O triunfo deixou Moçambique provisoriamente na liderança do grupo, com quatro pontos, embora a Zâmbia, segunda, com três pontos e menos um jogo disputado, visite no domingo a selecção da Líbia.

A terceira jornada do grupo está agendada para Março de 2011, com Moçambique a receber a Zâmbia, e a Líbia a jogar em casa com as Comoros.