NCaster Has not been assigned a template for this catogory. This site is powered by Project ncaster
using defalts layout Para o efeito, a Sign adquiriu duas máquinas que lhe permitem aumentar a capacidade de impressão diária em mais 2 mil metros quadrados, duplicando para 4 mil metros a capacidade instalada. Simultaneamente, a Sign-Publicidade e Impressão em Grande Formato, Lda. também fica apta a explorar novas áreas de negócio.

«A par da tecnologia topo de gama, procedemos também à reorganização do layout das instalações, o que nos permitirá responder, em situações limite, até uma produção até 10 mil metros quadrados por dia, com a máxima fiabilidade de impressão. Paralelamente, vamos poder imprimir em novos materiais o que nos possibilita a exploração de novas áreas de negócio», sublinha Jorge Nogueira, CEO da gráfica situada na Maia e com sucursal em Lisboa.

«Por exemplo, um dos equipamentos imprime também com tinta branca, o que permite desenvolver produtos com características inovadoras. A nova máquina de 5 metros vem equipada com tintas específicas, com certificado ecológico, para impressão de suportes têxteis, além dos tradicionais em PVC. Porém, os suportes em PVC começam a cair em desuso devido às suas características pouco ecológicas. Na verdade, o futuro da impressão em grande formato está nos suportes têxteis ou outros que também sejam recicláveis, amigos do ambiente», revela Jorge Nogueira.

As novas máquinas de impressão, são as “Durst Rho 500R” e “Durst Rho 750 Presto”, que correspondem à tecnologia de impressão mais evoluída do mercado. O novo parque instalado da Sign permitirá um aumento crítico de velocidade e de produtividade, alcançando os 400 metros quadrados/hora. No entanto, as novas máquinas também imprimem em modo not attended, o que permite um modo contínuo de 24 horas através de eventual controlo remoto, via internet.

Com este investimento, a Sign, que em 2009 facturou 3,6 milhões de euros, estima fechar o ano de 2011 acima dos 4 milhões, o que representará uma subida acima dos 15%.

«No entanto, este ano, por causa da baixa geral do investimento publicitário a nível mundial, a Sign também prevê uma ligeira redução do volume de negócios, equivalente ao que se passa no sector nacional», explicou Jorge Nogueira.

Este ano, de entre as grandes realizações, a Sign destaca a impressão dos materiais da exposição do Centenário da República. Entretanto, este mês, a Sign produziu uma grande instalação de telas backlit para uma campanha da Optimus, que se destaca pelas 25 caixas de luz (cada uma com 8x3metros) na Av. da República, em Lisboa. Trata-se, portanto, de um imenso outdoor com 200 metros de comprimento.