Construção e optimização de  web sites - NOVAimagem  - search engine optimization
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 director: Norberto Hossi
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Alto Hama

Barrica, Mugabe e Thatcher

- 13-Nov-2010 - 19:50

Margaret Thatcher, que em Maio de 1979 se tornou a primeira mulher a dirigir um governo britânico, proibiu nesse ano o seu enviado especial à então Rodésia de se encontrar com Robert Mugabe. O argumento, repare-se, era o de que "não se discute com terroristas antes de eles serem primeiros-ministros".

Por Orlando Castro
Jornalista


"Não. Por favor, não se reúna com os dirigentes da 'Frente Patriótica'. Nunca falei com terroristas antes deles se tornarem primeiros-ministros", escreveu - e sublinhou várias vezes - numa carta do Foreign Office de 25 de Maio de 1979 em que o então ministro dos Negócios Estrangeiros, Lord Peter Carrington, sugeria um tal encontro.

José Marcos Barrica, actual embaixador de Angola em Portugal, diplomata da confiança do presidente do MPLA, chefiou em Março de 2008 os observadores eleitorais da África Austral nas eleições presidenciais do Zimbabué.

O (in)sucesso da sua missão poderá ter estado, aliás, na origem da sua passagem de ministro dos Desportos a embaixador em Portugal.

Na altura, certamente com toda a legitimidade mas contra todas as informações independentes que chegavam do Zimbabué, José Marcos Barrica afirmou que as “eleições foram uma expressão pacífica e credível da vontade do povo”.

Também à revelia das informações que chegavam do reino de Robert Mugabe, José Marcos Barrica disse que as eleições foram “caracterizadas por altos níveis de paz, tolerância e vigor político dos líderes partidários, dos candidatos e dos seus apoiantes.”

Barrica não perdeu, aliás, a oportunidade para salientar que “as eleições foram realizadas contra um pano de fundo caracterizado por um clima internacional muito tenso e bi-polarizado onde alguns sectores da comunidade internacional permanecem negativos e pessimistas quanto ao Zimbabué e às possibilidades de as eleições serem credíveis”.

Como se viu, vê e verá, José Marcos Barrica teve, tem e terá razão quanto à democraticidade, legalidade, pacificação e futuro do regime de Mugabe.

Recordo igualmente que José Marcos Barrica considerou que “as eleições foram conduzidas numa forma aberta e transparente”, congratulando-se com o facto de a Comissão Eleitoral do Zimbabué “satisfazer os desafios administrativos de levar a cabo as eleições harmonizadas e demonstrar altos níveis de profissionalismo”.

“O grande vencedor é o povo do Zimbabué”, concluiu na altura o chefe dos observadores eleitorais da África Austral nas presidenciais do Zimbabué e agora embaixador de Angola em Portugal.

Entretanto, no 1 de Março de 2009 o dono do Zimbabué afirmava que as apreensões das explorações agrícolas dos brancos iam continuar, apesar da oposição do novo primeiro-ministro do governo de coligação, Morgan Tsvangirai.

"Há explorações agrícolas que foram designadas (para serem distribuídas) de acordo com a lei da aquisição das terra, das cartas de oferta enviadas aos novos agricultores. Não vamos deixar que os antigos proprietários destas fazendas recusem abandoná-las", declarou Mugabe perante os milhares de partidários reunidos para celebrar o seu 85º aniversário.

"Não vamos ouvir as desculpas que alguns agricultores usaram para apelar à justiça perante a SADC (Comunidade da África Austral). É insensato. Temos a nossa própria justiça aqui", disse o dono daquele coisa que já foi um país, que já foi o celeiro de África, e que hoje á o maior exportador mundial de refugiados.

Mugabe lançou em 2000 uma reforma agrária retirando explorações de agricultores brancos para a dar a zimbabueanos negros. A questão das terras é extremamente sensível no Zimbabué, onde a minoria branca conservava a maioria das terras aráveis, desde a independência, em 1980. Cerca de 4.000 agricultores brancos foram já obrigados a abandonar as suas explorações agrícolas desde que começou a reforma agrária de Mugabe.

13.11.2010
orlando.s.castro@gmail.com


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
 
Anuncie no Noticias Lusofonas e dê a conhecer a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Ligações

 Jornal de Angola
 Sindicato dos Jornalistas
 AngolaPress - Angop
 Televisão de Angola
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Optimização de Sites Portugal por NOVAimagem