Construção e optimização de  web sites - NOVAimagem  - search engine optimization
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 director: Norberto Hossi
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Alto Hama

Sócrate é exemplo em Portugal, na Europa e (é claro) no Mundo

- 16-Nov-2010 - 17:14

O secretário de Estado da Administração Local de Portugal, José Junqueiro, disse no dia 20 de Junho, em Baião, algo que define de forma exemplar (para Portugal, para a Europa, para o Mundo e o mais que houver) o primeiro-ministro. Disse ele que “José Sócrates é uma oportunidade para o país, mas também um exemplo para a Europa”.

Por Orlando Castro
Jornalista


Sabendo-se que se está a falar do reino lusitano a norte, embora cada vez mais a sul, de Marrocos, já nada é de estranhar. E se dúvidas existissem quanto às condições para se ser deste PS, basta ouvir José Junqueiro e os restantes compadres.

E as condições são: subserviência total, coluna vertebral amovível (ou, preferencialmente, ausência dela) e disponibilidade total para estar sempre de acordo com o dono do partido e, na circunstância, do país e – é claro – das “mexiânicas” empresas públicas.

“O que nós precisamos é de homens públicos que saibam estar à altura das responsabilidades”, afirmou José Junqueiro sobre o chefe do Governo, a propósito das dificuldades económicas por que passava, passa e passará Portugal e outros países europeus.

Crê-se, aliás, que para além de uma notável demonstração de subserviência, a tese de Junqueiro visa o lançamento da candidatura de José Sócrates a um qualquer Prémio Nobel, nem que seja de inglês técnico ou de vendedor de banha da cobra.

O secretário de Estado lembrou então o défice de 9,3 por cento em Portugal, mas também os 11 por cento dos EUA e os 12 por cento do Reino Unido. “Na quinta economia, a da França, e na primeira economia, a da Alemanha, tal como nas outras economias poderosas, as coisas não vão de feição”, acrescentou.

Pois é. Daí que que Nicolas Paul Stéphane Sarkozy de Nagy-Bocsa e Angela Dorothea Merkel, entre muitos – mas mesmo muitos – tenham já pedido a erudita ajuda do perito dos peritos lusos, de seu nome José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa.

José Adelmo Gouveia Bordalo Junqueiro, um professor universitário de Aveiro, que não deixa os seus créditos por louvaminhas alheias, considerou que o Governo de Portugal está a tomar as medidas adequadas para corrigir o défice e lembrou os sinais de recuperação da economia portuguesa nos primeiros meses de 2010.

E a quem se deve tão esforçado trabalho em prol dos 700 mil desempregados, dos 20% de portugueses que estão na miséria e de outros 20% que já a têm a bater à porta? Claro. A José Sócrates.

“Portugal cresceu a um ritmo recorde em toda a Europa no primeiro trimestre. Já sei que no segundo trimestre vai repetir a mesma dose. O crescimento de Portugal está em marcha”, enfatizou Junqueiro, sem deixar tempo a que a audiência tivesse dúvidas sobre a similitude entre Deus (no céu) e José Sócrates (na terra).

“O primeiro-ministro é o motor desse ânimo e dessa esperança para vencer as dificuldades”, salientou Junqueiro, acrescentando que José Sócrates, “com a sua determinação, tem um discurso positivo, um discurso da resistência e ganhador”.

O secretário de Estado e dirigente nacional do PS criticou depois o PSD, considerando “não ser um bom exemplo para o país” o maior partido da oposição “aconselhar Portugal a recorrer ao Fundo Monetário Internacional (FMI) ou a fundos europeus”.

“Isso dá um sinal de fragilidade”, observou José Junqueiro, lembrando que esse tipo de discurso pode conduzir às quedas das bolsas e de outros indicadores económicos. Limitou-se, sem originalidade, a dizer o que dissera o seu chefe.

Mas, reconheço, repetir o que o chefe diz é meio caminho andado para qualquer tacho “mexiânico”, desde logo porque José Sócrates não esquece os seus vassalos.

16.11.2010
orlando.s.castro@gmail.com


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
 
Anuncie no Noticias Lusofonas e dê a conhecer a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Ligações

 Jornal de Angola
 Sindicato dos Jornalistas
 AngolaPress - Angop
 Televisão de Angola
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Optimização de Sites Portugal por NOVAimagem