Construção e optimização de  web sites - NOVAimagem  - search engine optimization
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 director: Norberto Hossi
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Alto Hama

Greve é, se é que é, um direito sinónimo de despedimento

- 24-Nov-2010 - 15:11

Segundo o Sindicato (SJ) dos Jornalistas de Portugal, a greve na Agência Lusa regista “enorme adesão entre os jornalistas ao serviço na sede da empresa, tendo o piquete da manhã paralisado a 100%”. Será mesmo? É que os jornalistas conhecem bem a administração da empresa e sabem, desde logo por exemplos recentes por onde passaram os administradores, que fazer greve é meio caminho andado para o despedimento, colectivo ou não.

Por Olando Castro
Jornalista


“Não há quaisquer jornalistas a trabalhar nas secções de Política e Cultura, e no Internacional/Lusofonia está presente apenas uma pessoa contratada a recibo verde. Nas secções Sociedade e País estão presentes apenas os respectivos editores, e na Economia estão a editora, um adjunto, um jornalista a prazo e outro a recibos verdes. Na Multimedia está o editor e um adjunto, no Desporto um editor, na Fotografia um editor adjunto e um jornalista a prazo e na Agenda o editor e um jornalista”, diz o SJ em comunicado.

Na Lusa como noutros meios, quem trabalha a recibos verdes ou com contrato a prazo não pode fazer greve, mesmo que essa seja a sua vontade. Na democracia portuguesa é assim que as coisas funcionam. Por outras palavras, ou comem e calam ou não comem e vão para a rua.

“A jornalista de serviço no turno da madrugada fez greve mas a empresa recorreu a um jornalista de Macau para a substituir. Estão igualmente presentes três correspondentes no estrangeiro actualmente a receber formação em Lisboa. A trabalhar, na sede, estão pessoas da Direcção de Informação e parte da chefia de Redacção”, diz o SJ, acrescentando que “na Delegação de Coimbra, os quatro jornalistas pertencentes ao quadro da empresa estão em greve, na delegação do Porto, dos jornalistas do quadro, nove estão a trabalhar (incluindo chefias) e cinco em greve”.

Quanto ao que se passa na restante comunicação social das ocidentais praias lusitanas a norte, embora cada vez mais a sul, de Marrocos, não faço a mínima ideia. Mas não é difícil pensar que a maioria está com o rabinho entre as pernas, com a língua de fora pronta a lamber o dono.

24.11.2010
orlando.s.castro@gmail.com


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
 
Anuncie no Noticias Lusofonas e dê a conhecer a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Ligações

 Jornal de Angola
 Sindicato dos Jornalistas
 AngolaPress - Angop
 Televisão de Angola
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Optimização de Sites Portugal por NOVAimagem