Construção e optimização de  web sites - NOVAimagem  - search engine optimization
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 director: Norberto Hossi
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Alto Hama

Angola põe na rua sipaios que comprou na colónia de Cabinda

- 3-Dec-2010 - 16:52

Os sipaios que José Eduardo dos Santos, presidente não eleito de Angola, comprou em Cabinda não cumpriram convenientemente as ordens do regime colonial e estão a ser mandados dar uma volta ao bilhar grande. Macário Romão Lembe, um dos braços direitos de António Bento Bembe, foi oficialmente exonerado do seu cargo como vice-governador da colónia para o sector empresarial privado.

Por Olando Castro
Jornalista


Juntamente com Macário Romão Lembe, foram demitidos das diferentes variantes enquadráveis nos cargos de vice-governadores, Feliciano Lopes Toco, António Manuel Gime, Aldina Matilde de Barros da Lomba, e Vicente Télica.

Bento Bembe, tal como uma parte do MPLA, ainda não compreendeu que há gente em Cabinda que prefere morrer à fome do que ser escrava, que prefere levar um tiro a vender a alma aos que lá vão e estão apenas para sacar as riquezas.

«Quando um político entra em conflito com o seu próprio povo, perde a sua credibilidade no seu agir, torna-se um eterno ditador», afirmou em tempos o bispo emérito de Cabinda, Paulino Madeca, falecido em 2008, numa carta dirigida a António Bento Bembe e intitulada «A crise actual no enclave de Cabinda».

Quando em 3 de Outubro de 2008 o presidente da República de Angola pediu aos seus ministros mais trabalho e menos conversa, o então ministro (hoje é secretário de Estado e amanhã irá para a rua) António Bento Bembe começou logo a mostrar que nada tinha para fazer. Vai daí, falou, falou, falou... e só disse asneiras.

E falou para, mais uma vez, dizer uns tantos disparates. Começou por negar a existência de um conflito armado em Cabinda, considerando as mortes recentes "actos de banditismo" protagonizados por pessoas que pretendem "resolver questões pessoais".

Ao que parece, Bembe acabara de reler o manual do MPLA sobre esta questão para, bem a propósito, responder ao deputado da UNITA e activista cívico de Cabinda, Raul Danda, que afirmava haver uma guerrilha activa na colónia e que "há gente que mata e que morre de ambos os lados".

Todo o mundo sabe, por isso, que as FAA estão em Cabinda de armas e bagagens para evitar que, segundo Bembe, as pessoas resolvam as questões pessoais aos tiros.

"Morre-se em todo o mundo. Morre gente no Huambo, morre gente no Cunene e em todas as províncias de Angola. Pelo contrário se formos ver a estatística desta mortandade podemos ver que em várias províncias morre mais gente do que em Cabinda", salientou Bento Bembe.

Digam lá que não é brilhante o raciocínio de Bento Bembe? No entanto, bem vistas as coisas, “se formos ver a estatística desta mortandade”, morre mais gente em Cabinda do que no Palácio Presidencial.

"Eu, nascido em Cabinda e alguém que já fez guerra em Cabinda, tenho uma experiência da guerra que data de 30 anos. Aqueles que ainda falam da existência de guerra de guerrilha em Cabinda, muitos deles não fizeram a guerra e não a entendem e nem podem definir a própria palavra guerra em si", acrescentou Bembe num rasgo histórico digno de ser emoldurado e colocado na sua lápide.

"Todos nós lutamos para a independência de Cabinda, mas é preciso compreender que as coisas mudam e os contextos também", disse Bembe. Mas seria isso que ele queria dizer? Afinal o que mudou?

Mudaram as coisas e os contextos? É claro que sim. A força ocupante, o MPLA, não desiste de combater os defensores da independência. A uns mata-os. A outros prende-os. A outros, como Bento Bembe e companhia, compra-os, usa-os e depois deita fora.

03.12.2010
orlando.s.castro@gmail.com


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
 
Anuncie no Noticias Lusofonas e dê a conhecer a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Ligações

 Jornal de Angola
 Sindicato dos Jornalistas
 AngolaPress - Angop
 Televisão de Angola
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Optimização de Sites Portugal por NOVAimagem