NCaster Has not been assigned a template for this catogory. This site is powered by Project ncaster
using defalts layout Os signatários do protocolo foram o ministro são-tomense da Educação, Cultura e Formação, Olinto Daio, e o administrador a empresa, João Paulo Sá Couto.

As obras para a instalação da empresa portuguesa em São Tomé iniciam-se em Fevereiro próximo e a fábrica vai garantir, numa primeira fase, pelo menos 200 postos de trabalho.

A instalação desta nova empresa é vista pelo Governo são-tomense como um "empreendimento que vem lançar novas perspectivas ao país em matéria de novas tecnologias".

O montante do investimento não foi revelado, mas a JP Sá Couto espera obter apoio do Governo são-tomense para a comercialização do computador Magalhães no mercado interno e dos países da costa africana.

"Vamos depois fazer uma parceria com o Governo, em que vamos a partir de certa altura exportar para outros países vizinhos e, no fundo, teremos aqui uma plataforma que consta nesse protocolo que assinámos", diz João Paulo Sá Couto.

O ministro são-tomense da Educação, Cultura e Formação adianta que "não só produziremos computadores Magalhães para consumo interno, mas também para exportar para os nossos vizinhos. Assim estaremos a promover a própria inclusão digital e também a permitir que os nossos alunos consigam amanhã ter acesso a várias oportunidades que o próprio desenvolvimento vai trazer".

A capacitação de quadros constitui também uma das prioridades do projecto, que prevê a importação de tecnologias para montagem de computadores.

"Nós pretendemos fazer uma parceria com o Governo criando uma infra-estrutura para a sua implementação, criando postos de trabalho e dando apoio necessário para que este projecto consiga ser implementado, pois é uma aposta do Governo de São Tomé", acrescenta.

Os principais alvos do projecto são crianças e os alunos que frequentam as escolas do arquipélago.

"O Governo tem uma visão clara para o desenvolvimento do país até 2035 e para isso precisamos fazer recursos a novas tecnologias de comunicação e de informação", diz o governante são-tomense.

"Este memorando de entendimento vai permitir que com esta empresa consigamos montar uma infra-estrutura de computadores Magalhães e com esses computadores poderemos a breve prazo garantir que cada aluno tenha um computador", acrescenta o titular da Educação.