NCaster Has not been assigned a template for this catogory. This site is powered by Project ncaster
using defalts layout “Fizemos uma avaliação positiva, realmente está-se a caminhar para uma recuperação em termos de crescimento económico, embora algo lento, mas está-se a avançar”, disse a jornalistas o chefe da missão do FMI, Csigi Sikata.



Acrescentando que “há a questão da inflação, que ainda está acima do desejado ou do desejável, mas mesmo assim o estado da economia em termos gerais é positivo”.



“Todavia, estamos em crer que [os preços] irão baixar nos próximos meses, portanto em termos macroeconómicos a baixa da inflação será também positiva”, acrescentou.



Durante duas semanas, os peritos do FMI passaram a pente fino o sistema macroeconómico e financeiro do arquipélago, tendo no final da avaliação a missão do FMI deu nota positiva ao desempenho do governo são-tomense.



“Em termos gerais os resultados desta nossa visita foi bastante positivo, há realmente avanços consideráveis a registar”, disse Csigi Sikata.



“Quanto ao orçamento, constatámos que a receita foi realmente bastante forte durante estes primeiros seis meses, havendo claramente um esforço por parte do governo para se manter dentro daquilo que estava programado”, sublinhou o representante do Fundo Monetário Internacional.



A missão do FMI teve encontros com o governo são-tomense, a Assembleia Nacional (parlamento), o Banco Central, com bancos comerciais e sindicatos.

A missão do FMI, que deixou este fim de semana a capital são-tomense, mostrou-se satisfeita com a redução da burocracia para a criação de empresas, afirmou que houve aumento de receitas e congratulou-se com as medidas do banco central para solidificar o sistema financeiro nacional.



“O banco central tem vindo a reforçar claramente a suas funções de supervisão e registamos com agrado a intervenção num banco comercial, cuja gestão era deficitária”, enfatizou Sikata, que considera necessário o governo do arquipélago “melhorar o ambiente empresarial”, reduzindo as imposições legais que são colocadas à criação de empresas.



Apesar da boa performance da economia são-tomense, o FMI constatou que o país tem ainda pela frente um grande desafio. O sector energético continua deficitário, e o Fundo detetou um grande passivo no orçamento geral do Estado devido às dívidas que as câmaras distritais e o governo regional contraíram com a empresa de água e eletricidade (EMAE).



“Apurou-se realmente uma grande acumulação de [dívidas] por parte de municípios e da região autónoma para com a EMAE. Obviamente isto revela-se um peso para o orçamento que, a não ser tratado, irá significar um grande fardo para o governo, já que terá honrar esses pagamentos”, explicou Csigi Sikata.