Anuncie no Noticias Lusofonas e promova a sua empresa em toda a Lusofonia
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Brasil
Partidos não facilitam candidaturas de mulheres no Brasil
- 15-Jul-2012 - 22:16

Para Eleonora Menicucci, recursos para as políticas são menores, e a cota de 30%, destinada às candidatas, não é respeitada; Brasil tem apenas 8% de congressistas femininas.


Os partidos precisam se empenhar para garantir maior participação das mulheres na política. A opinião é da ministra das Mulheres, Eleonora Menicucci.

Nesta entrevista à Rádio ONU, concedida na segunda-feira, durante uma visita a Nova York, a ministra disse que os partidos não estão cumprindo a cota obrigatória destinada às candidaturas femininas.

Mundo Atrás

"Os partidos políticos não têm interesse em cumprir a legislação. A legislação é a seguinte seja qual partido for: tem que ter no mínimo 30% de cada sexo. Então se tem 70% de homens, tem que ter 30% de mulher, mas os partidos não respeitam. Nenhum. O recurso dos partidos para as mulheres candidatas é muito pequeno. As mulheres vão para a política, mas tem um mundo que fica atrás delas: casa, filho… Então elas vão para a política ou quando elas são solteiras, ou quando elas já têm os filhos fora de casa", afirmou.

A ministra disse acreditar que com a ajuda das autoridades e da própria sociedade, deverá haver mais mulheres na política já no fim das eleições deste ano para prefeitos e vereadores.

América Latina

Eleonora Menicucci afirmou que para haver uma mudança real, a mulher tem que estar sentada nos parlamentos redigindo as leis.

"É fundamental que a mulher esteja no Parlamento seja ele municipal, estadual ou federal, porque é lá que se votam as leis. E a mulher tendo um lugar, uma cadeira no Parlamento, ela tem definitivamente garantido o seu voto. E eu tenho certeza que a mulher vota para as mulheres. Então, candidatem-se. O século é nosso e já começou."

Segundo dados oficiais, o Brasil tem apenas 8% de congressistas mulheres. É uma das menores cotas da América Latina e fica atrás também de países africanos, como, por exemplo, a Guiné-Bissau, a nação de língua portuguesa no oeste da África.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 
 
 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design e SEO Portugal / Brasil por NOVAimagem